CHOVIA

Publicado: 26/04/2006 em poesia


Vazia estava.
… como uma árvore no outono, desnuda, desfolhada. Como aquele frasco do perfume preferido, que quando procurado, nada resta, nenhuma gotinha.
… com a boca vazia de beijos, a vontade órfã de iniciativa, a mente zerada de idéias, os pés vagando sem trilha, meu desejo desprovido do seu fruto.Nada tão grave nem definitivo. Só um dia chuvoso que engole o brilho e as cores, sem calor, inundado, sem arte e sem desastre até. Como um vácuo. Alguns destes dias têm o dom de fazer de mim um conjunto vazio, mas não me impressiono.

Rasgando a manhã, faz o sol hoje a sua estréia, secando as minúsculas gotinhas sobre as folhas das árvores, transformando-as em pequeninos reflexos, como uma renda verde salpicada de pedrinhas brilhantes. Não mais cinza é o dia, agora é vibrante e inundado de cores, reflexos e sensações.

Chega o sOl e me preenche novamente. E daí, transbordo!

(Sarah > abril/2006)

Anúncios
comentários
  1. camila disse:

    pelo visto, de leveza vc tb entende! parabéns. e apareça mais vezes, será smepre bem vinda. beijos!

  2. cesones disse:

    muito massa isso =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s