VOCÊ em você

Publicado: 04/02/2007 em comportamento

.

.

.

Uma parte de mim é todo mundo
Outra parte é ninguém
Fundo sem fundo
Uma parte de mim é multidão
Outra parte estranheza e solidão
Uma parte de mim, pesa
Pondera
Outra parte, delira
Uma parte de mim almoça e janta
Outra parte se espanta
Uma parte de mim é permanente
Outra parte se sabe de repente
Uma parte de mim é só vertigem
Outra parte, linguagem
Traduzir uma parte noutra parte
Que é uma questão de vida ou morte
Será arte?
Será arte?
(TRADUZIR-SE – Ferreira Gullar)

Uma das características que mais me fascina no ser humano é a sua capacidade de ser múltiplo, de surpreender ou surpreender-se consigo, se aperfeiçoar, se superar. Ou mais ainda, sua peculiar multiplicidade, ou sendo mais exata, uma imensa contraditoriedade ou fragmentação que eles carregam em sua essência.

Certo é que para a maioria de nós é doloroso demais conviver com tudo isto, e muitos, por condicionamento ou até mesmo acomodação, escolhem o caminho mais confortável da previsibilidade, do tradicional, da triste tranquilidade do não arriscar-se. Pois o risco de penetrar na densa e escura floresta da nossa verdadeira essência, não é tarefa simples, muitas vezes é assustadora, requer coragem, dedicação. Ir ao encontro da descoberta do que se é, aceitar aquilo que somos que não nos agrada, mas que o sabemos e tantas vezes negamos, é um processo doloroso. Descobrir que dentro de nós habita e convive tantas verdades distintas e que em alguns e inesperados momentos entram num embate, quando escolhem opostos caminhos dilacerando nossos óbvios propósitos. Muitas vezes estas experiências assustadoras instalam-se à nossa frente nos esterrecendo e nos enchendo de dúvidas e receios. Ao trilharmos este caminho inicialmente, mal sabemos que neste processo, na verdade, precisamos ser lentos, pacientes, despojados de pré-conceitos e extremamente dedicados. Devemos cultivar a aceitação pura e simples sem juízo de valor, ter a coragem de encarar de frente nossa complexidade, nosso lado sombrio, nossas próprias contradições, nossa dualidade. Pois a partir do momento que pararmos de lutar consigo mesmos, encontraremos a paz interior necessária para nos assumirmos e nos aceitarmos. É inútil lutar contra o que se é, como já dizia Jung: “o indivíduo pode lutar pela perfeição, mas deve sofrer com o oposto de suas intenções em nome da sua totalidade”. Isto sintetiza tudo não? Não precisaria dizer mais nada, mas …

Assim, desta forma, seremos seres com brilho próprio, mais atraentes, mais interessantes, mais livres para exercitarmos nossa verdade interior sem culpas medos ou incertezas, mesmo sabendo que somos essencialmente contraditórios.

Entre ser ou não ser, não vacile nunca, SEJA! Viver verdadeiramente é uma arte!

(foto: Yoyce Tenesson)

Anúncios
comentários
  1. josé alberto farias disse:

    É um prazer estar aqui, descobrir este blog de qualidade surpreendente.

    Este post é cheio de sabedoria. Eu gostaria de tê-lo escrito, sabia?;-)

    E o poema do F Gullar é minha cara.

  2. Papoila disse:

    Olá Sara:
    Gostei muito deste texto e tu sabes porquê:
    Linda foto.
    Beijo

  3. elisabete cunha disse:

    Sara: Belissímo texto, parabéns!
    amo quando me visita!
    Possao te linkar?
    Tenha uma linda semana!!!

  4. elisabete cunha disse:

    VIVER É AMAR……
    APARECE TEM POST NOVINHO……

  5. marcelo disse:

    Sarah K, ótimo texto reflexivo de nós mesmos, entrei em mim e me perdí no melhor pedaço…acredito que os bloggers exercitam bem essa multiplicidade referida por vc.

    qto à festa do red river fiquei das 9 as 22, naquela de joga flor na agua, recebe alfazema na cabeça, come feijoada, bebe muita água, dança a macumba jazz da mariela santiago, o samba de roda de roberto mendes, o rock do dr cascadura, lampirônicos e márcio melo…por enquanto é só!!!!

    bjs

  6. Castelo da Vampira Olímpia disse:

    Saroca,
    Lindo seu texto…
    Penso que essa multiplicidade a qual vc fala se deve ao fato de que somos constituídos através dos outros; pelo menos inicialmente.
    E concordemos, quantas coisas renunciamos em nome de um reconhecimento de amor?
    Bom, ainda bem que existem pessoas que chegam e fazem, e com isso, deixam o mundo mais bonito; um conteplamento às diferenças.
    Beijos

  7. Ricardo Rayol disse:

    O que mais me surpreende no ser humano é sua capacidade de fazer besteiras… das formas mais variadas.

  8. Andreia Dequinha disse:

    Gosto imensamente de me traduzir, embõra não o faça tão bem quanto o Ferreira Gullar, embora não faça tão bem quanto você, mas sei apreciar o que toca o meu coração e o que mexe com cada uma das pessoas que me habitam, muitas, por isso deixo aqui os aplausos sinceros por escrever tão bem e com o coração! Parabéns! Voltarei. Um abraço.

  9. elisabete cunha disse:

    Que bom te visitar….energia positiva!!! aparece tem post novinho….!

  10. mel disse:

    Sarah teu post levanta o astral de qualquer um! Vamos lá!
    Beijo

  11. Mutações disse:

    Muito bom gosto.O blog inteiro.Linguagem, escolha de autores, poemas bem escritos, música…Tudo o que se deseja.Ao menos eu.Parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s