Arquivo da categoria ‘poesia’

O dia

Publicado: 13/03/2010 em poesia
Tags:,

(foto: Gary J S)

De repente o tempo parou… estanque, calmo e tenso.
No dia branco, um céu de puro azul, asas velozes quebravam a monotonia.
Apenas um olho preto tudo via.
Tranças, sorrisos, a claridade da manhã estourada na roupa branca, nos dentes que riam.
Sonhar, agora poderia, ousar, cogitaria.
Olhou em volta, sentiu-se tão só… Pela frente uma promessa, um desafio.
Fechou os olhos feliz e jogou-se na morena manhã de coração aberto.

Interseções

Publicado: 16/12/2009 em poesia
Tags:,

Nas ruas descruzadas, vagavam
Viram-se sem saber
De pura imaginação, gostaram-se
Viveram alheios
Consumiram-se sem um fim
Perderam-se num vazio
Esqueceram-se enfim
Distantes agora
Procuram lembrar-se

Árido

Publicado: 22/07/2009 em poesia, reflexões
Tags:,

quando ela chegou
com o aroma das flores
trouxe perfume e cor
à sua vidinha árida
de deserto sem oásis

agora sozinho se perguntava
contemplando ao redor
daquele campo desfolhado
se teria sido pura ilusão

tudo parecia lavado
por um detergente biodegradável
restaram apenas
vestígios de espuma
e algumas chances de semente

(foto: Manuel Sardinha)

Enquadramentos

Publicado: 11/06/2009 em poesia

janelas que descortinam
pelos meus olhos se imaginam
uma doce novidade
ou uma estabelecida realidade
não querem saber
conhecer ou entrever
desejam apenas contemplar
sorver e se encantar
por ela podem recriar
mais uma vez renovar
ou apenas simplesmente
docemente sonhar

(write in jan/2007)

(foto: Vitaly Bakhvalov)

 

super nova
ela é uma estrela

de cinema?
não!

o cinema é uma ilusão
a vida imita a arte
e ela?
não quer nada disso não!

brilha no escuro
gota sobre a face
na sala de projeção

sai da tela
se projeta
outro brilho
nova edição

.

sem idéias
meio ôca

existe o vazio?
penso no ôco do côco
um ninho de água
a água se espalha
se molda suavemente: adaptação
mata a sede e refresca

o côco é verde
e o verde?
esperança!
me sinto ecológica
abraço a natureza
esperançosa

a polpa é branca
penso na paz
me espalho
no verde
em paz

olha!
idéias brotaram
do vazio branco
e fertilizadas pelo verde
espalharam-se

FusÃo

Publicado: 04/07/2008 em eróticas, imagéticas, poesia
Tags:, , , ,

.

tocar-me

não precisas

inundada em mel

derreto docemente

olhando tuas pupilas

dilatadas

pretas e encantadas

fixadas em mim

.

(foto:  Robin Derrick)