Posts com Tag ‘opinião’

Era domingo, o carro parou para ser abastecido, ele sorriu largo ao pedir as chaves e começou a abastecer enquanto eu procurava o cartão para pagamento. Cartão passado, comprovante assinado, carro abastecido, recebo as chaves de suas mãos e o mesmo sorriso franco e feliz, daqueles verdadeiramente espontâneo. E assim, com o semblante de alguém satisfeito, de quem faz o que gosta e tem prazer, ele se despede com um desejo vibrante de bom dia.

Saindo me perguntei: “porque ele está tão feliz, se tivesse que trabalhar num feriadão eu estaria chateada, e se fosse um trabalho assim, ainda pior, tão mecânico e sem criatividade?” E me fui admirando o frentista e sua capacidade de ser feliz com tão pouco. Grifando aqui, que o ‘tão pouco’ é minha observação e pensando que julgamos demais, quando na verdade deveríamos praticar a aceitação que o mundo é plural e que nossa perplexidade diante da estranha (para nós) felicidade do outro, talvez traga implícita o quanto dificultamos a felicidade para nós mesmos.

Escrevendo isto, agora, numa tarde de domingo, sobre a cama, cercada de livros, cadernos e canetas, acompanhada desta descrença que quero expulsar, à espera de uma noite que traz latente uma promessa vaga de felicidade e torcendo para que eu me encontre aberta a ela; enquanto isso leio Clarice: “Não temos sido puros e ingênuos, para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia, possamos dizer ‘pelo menos não fui tolo’ e assim ficarmos perplexos antes de apagar a luz”.

E antes que este texto chegue ao fim e eu me cale, quero dizer que sim, eu desejo ser tola, desejo perceber os meandros onde a felicidade muitas vezes se esconde, auxiliada por nossos olhos que teimam em não vislumbrá-la, ou na verdade simplesmente por pura covardia.
E deixo aqui um desejo: que a gente (eu sobretudo) se liberte desta tola arrogância.

(imagem: arteemfoto)

[inspirado num comentário que fiz outro dia neste post no blog do Gustavo Gitti]

Não acredito que um dia repentinamente nos tornemos Mulher.
Existe uma mulher dentro de cada uma de nós, desde que nascemos e ela vai brotando, desabrochando, florescendo devagar e sempre…

Brinca de casinha, de boneca, de médico. Rouba as roupas, sapatos, enfeites e batons da mãe e se projeta lúdica, diante do espelho, curiosa, premeditando o futuro.

Se espanta diante das transformações que o tempo vai imprimindo no seu corpo, os pêlos, as protuberâncias, os fluxos. Perplexa diante da descoberta das paixões, do sexo, das próprias contradições; do ritmo confuso dos hormônios que por diversas vezes comandam implacavelmente, noutras os sentimentos à flor da pele que desaguam sem nenhum aviso prévio.

Dores e delícias, ventre sagrado, coração imenso, um campo farto de amores: filiais, fraternos, maternais, românticos… A garra e a sensibilidade sempre juntas, uma força sutil e pujante; a insegurança e o medo convivendo o tempo todo com confiança e força.

Fazemo-nos mulher aos poucos, às vezes lenta, noutras intensa, mas sempre permeada pela imperfeição, esse liame que deseja ser imperceptível, mas que no fundo é a causa mais forte da nossa (in)completude.

É assim, creio, que nos tornamos Mulher, dia após dia.

(foto: Yoyce Tenesson)

[blog-amigas, tem novas indicações na página SELOS, passem lá prá conferir!]

no-lugar-certo.jpg

As mulheres são de Vênus, os homens são de Marte”.
Astronomicamente falando, a frase me parece correta. Vênus, mais próximo do Sol, é um planeta mais caloroso, como nós mulheres. Marte, tradicionalmente conhecido pela cor verde (não maduro), assim correlaciona-se pela incipiente maturidade emocional da maioria dos homens. Mas sabemos que esta frase quer dizer muito mais, quer falar das diferenças que muitas vezes atrapalham o entendimento ou que fazem com que um exerça uma enorme atração sobre o outro.

Muito se fala do ruído na comunicação entre o feminino e o masculino. Nós mulheres precisamos externar nossos sentimentos, discutir exaustivamente, demonstrar nossas insatisfações, enquanto eles preferem o silêncio, a introspecção ou apenas o frio contato com os botões do controle remoto da TV. Somos toda sentimento e sensibilidade, apreciamos gentilezas e pequenos detalhes nas atitudes do outro, enquanto eles se esmeram na economia de palavras e na objetividade, que para nós parece significar  simplesmente frieza. Na hora do sexo necessitamos da calma e sutileza das preliminares, da lenta e cuidadosa exploração de nosso corpo, e não apenas dele, mas da nossa alma! Entretanto, para nossa frustração nem sempre é fácil obter e desfrutar desta dedicação. Para eles é tudo tão táctil e visual, tão instantâneo e automático, que mais uma vez atritos podem desequilibrar esta delicada relação. E depois do sexo? Quando queremos desfrutar da intimidade e cumplicidade que o momento propicia, eles apenas querem largar-se sobre o travesseiro ou simplesmente ligar a TV despertando nossa total e completa ira. Outras tantas vezes lançam mão da nossa tão divulgada inteligência emocional e nos cobram atitudes “super”, ou seja, estarmos sempre disponíveis, lindas, cheirosas, bem humoradas, em forma, dispostas ao sexo, sempre compreensivas, etc, etc, não importando o quanto nossa semana tenha sido exaustiva e complicada ou o quanto estejamos simplesmente desejando virar para o lado e dormir vestindo apenas aquele pijaminha básico, confortável e nem um pouco sensual.

Por aqui a quantidade de homens (jovens ou maduros) que optaram pela homossexualidade é gritante, por isto, algumas vezes me passa pela cabeça um comentário que ouvi de um amigo heterossexual (um cara mais maduro) certa vez numa mesa de bar, dizendo que seria muito mais fácil conviver com outro homem, relacionando o fato com o volume de stress que uma relação heterossexual carrega. Diante dessa afirmação, da forte tendência individualista do comportamento contemporâneo e de todas as tensões entre o masculino e feminino observadas anteriormente, pergunto: será que os homens estão introjetando esta necessidade inconscientemente? 

[Blog-amigos, visitem a página SELOS, tem atualização e novas indicações!  😉 ]