Posts com Tag ‘religião’

Proseando sobre vida e morte, repressões e prazeres…

“Do pó vieste e ao pó retornarás”  garantem os Católicos.

Os Espíritas, no entanto, acreditam que existe vida após a morte, numa rede incessante de purificação.

Já o Corão ousa afirmar que existe sexo sem culpa após a morte.

nymphs-l.jpg

“A tradição católica, amiga do vinho no aquém, não oferece vinho no além, onde os eleitos de Deus serão submetidos a uma dieta de leite e mel. E segundo o ditame, no paraíso os homens e as mulheres estarão juntos, mas serão como irmãos.  Já a tradição islâmica proíbe tomar vinho na Terra, mas o Corão promete vinho incessante no céu. O Corão que condena o adultério na Terra, também promete belas virgens e gentis mancebos, disponíveis em quantidade, para o gôzo eterno no Jardim das Delícias que aguarda os mortos virtuosos. Por influência da vida ultraterrena ou por outros motivos, há trezentos mulçumanos a mais que os católicos.” 
(Eduardo Galeano em O TEATRO DO BEM E DO MAL)

Talvez aí esteja a explicação para o fanatismo religioso dos mulçumanos … ou não. Freud explica?  😛

.

Anúncios

Hoje passeando pela rede me deparei com duas personalidades muito curiosas. Nem me perguntem porque elas vieram parar aqui no blog juntas, mas me chamou atenção pela coincidência de encontrá-las quase que simultaneamente. Trago-as então para vocês.

.

.

Este cara é MATISYAHU, um cantor que vai se apresentar esta semana aqui em Salvador, no Festival de Verão. Ele é a mais nova sensação nos EUA, é judeu ortodoxo (sim, daqueles que freqüentam assiduamente uma sinagoga!), tem 26 anos, e seu som é um mix de hip-hop e reggae, canta em inglês, mas também usa o hebraico e o iídiche, as letras evidentemente têm cunho religioso. Mas pasmem, circula a boca pequena pela rede que o cara já barbarizou quando adolescente, abandonou os estudos, virou hippie, fumava maconha e tomava chá de cogumelo. Hoje convertido prega o Torah à “la Bob Marley” e começa a despontar no cenário internacional com 3 álbuns já gravados, além de ser destaque na badalada revista Billboard.
Batendo no liquidificador esta mistura louca, fico aqui pensando na grande jogada de marketing que é tudo isto, a mais conservadora de todas as imagens vinculada a um dos sons mais alternativos e “viajantes” de que se tem notícia.
Quer ver e ouvir? É só passear
AQUI! E … boa “viagem”!!!

.
.

.

A outra agradável surpresa foi esta frase “Um indivíduo livre sexualmente é mais livre em todos os aspectos da sua vida. Será muito mais difícil controlá-lo, condicioná-lo” numa associação entre sexo e política. Saí então à procura do autor de indiscutível verdade, já que me identificara totalmente com esta afirmação. Ela é ALÍCIA GALLOTTI, jornalista e escritora argentina, radicada na Espanha, especialista em sexologia.
Tem vários livros publicados sobre sexualidade, e pesquisando descobri que todos são listados em interesses GLS, um posicionamento já esperado por conta da formação judaico-cristã da nossa sociedade. Mas na verdade, ela enfoca o sexo com a mais absoluta naturalidade e conhecimento, abordando o assunto de uma forma bastante objetiva e esclarecedora, com embasamento científico, mas usando uma linguagem bastante accessível.
Vejam trecho de uma entrevista à revista Época quando de sua visita ao Brasil em set/2005 (confesso que adorei o tom irônico logo nas primeiras respostas):
ÉPOCA – Segundo a pesquisa, os brasileiros fazem sexo três vezes por semana.
Alicia Gallotti – Ah, claro, como os argentinos, os italianos e todos os que têm complexo de macho.
ÉPOCA – As mulheres são mais honestas?
Alicia – Talvez com as amigas. Mas são desonestas com o parceiro. Outro dia, assisti a um documentário feito com várias mulheres. A pergunta feita a todas era: você já fingiu um orgasmo? Todas disseram que sim. Não seria mais fácil indicar ao parceiro o que falta?
ÉPOCA – Muitos reclamam da falta de preliminares e de fantasia. Faltam esses cuidados na hora H?
Alicia – O que realmente faz falta é a pessoa se permitir fazer o que gosta. O que não dá é para transar preocupada com a performance. Queixar-se com o parceiro também é ruim. Não se deve dizer: ”Não faça isso, não gosto daquilo”. Sexo não é guerra. Há maneiras de mostrar ao outro o que dá prazer de uma forma mais sensual do que só se queixar.
ÉPOCA – Quais são as principais preocupações que atrapalham o sexo?
Alicia – Achar que tem de ser o melhor amante do mundo, atingir multiorgasmos. Além disso, há momentos na vida em que o sexo é mais presente e em outros não. Sexo é muito mais mental que genital.

Viver de forma mais plena e responsável a sexualidade é um grande desafio e considero um dos melhores caminhos para uma realização pessoal bem sucedida.
Mais de Alicia, leia
AQUI!(Sarah K > jan/2007)